1 de junho de 2012 | Saúde

Tristeza ou Depressão – você sabe qual é a diferença?

Lembre-se que o estado de depressão ou tristeza não é um defeito de caráter ou de personalidade.

homem preocupado

Foto: Corbis

Diferenciar a doença “depressão” dos sentimentos de tristeza que a maioria das pessoas enfrenta lá pelas tantas, nem sempre é uma tarefa fácil. Por exemplo, a tristeza que uma pessoa sente ao perder uma pessoa querida não é uma depressão. Se, no entanto essa tristeza impedir o “funcionamento” normal no dia-a-dia ou então estiver causando um grande sofrimento, a coisa muda de figura.
De qualquer modo, esse estado é um sinal de perturbação no estado de harmonia e equilíbrio do organismo, que pode se cristalizar como uma doença ou permanecer em graus mais leves, levando a uma perda significativa na qualidade de vida.

Lembre-se que o estado de depressão ou tristeza não é um defeito de caráter ou de personalidade. Não é sinal de fraqueza. Não é falta de força de vontade para superar suas dificuldades, e ninguém fica deprimido como uma punição por ter feito “algo de ruim” – uma interpretação errada bastante comum.

Nossa abordagem

Não existe uma única causa para esse quadro, no geral é uma combinação de diversos fatores. Existem fatores psicológicos (como uma intensa reação à perda de uma pessoa querida, por exemplo), fatores do ambiente (como ter que enfrentar uma situação de convívio com uma pessoa muito doente ou um ambiente de trabalho muito difícil), fatores genéticos (que é a predisposição orgânica que cada pessoa traz ao nascer), fatores hormonais (como o baixo funcionamento da tiróide ou desbalanceamento de outros hormônios) e fatores bioquímicos cerebrais, nos transmissores químicos do cérebro.

Independentemente da causa, os sintomas de tristeza e depressão são um novo fator de agressão, formam um “estado tóxico” que retorna ao corpo como um novo problema. Como a pessoa encontra-se debilitada, esse novo problema em geral não encontra solução satisfatória, fechando um ciclo vicioso aonde os próprios sintomas pioram o problema inicial.

Assim, acredito que a abordagem ideal deva influenciar tanto nas causas que estão desencadeando o processo quanto nos seus sintomas.

O princípio é proporcionar ao organismo um estado de funcionamento tal que consiga interromper esse ciclo vicioso e dar início a um novo ciclo virtuoso, aonde sentimentos tóxicos sejam substituídos por emoções saudáveis e comportamentos benéficos (veja as sugestões para manter o otimismo mais abaixo).

Para tanto são utilizadas substâncias como aminoácidos, vitaminas, mediadores químicos cerebrais naturais, fitoterápicos e outras medidas de baixo potencial agressivo.

O que a depressão afeta?

A primeira área que a depressão afeta é o humor, que na maioria das vezes (mas não sempre) é experimentado como de tristeza, depressão, melancolia, preocupação e desesperança.

As funções corporais no geral estão comprometidas, e são comuns sintomas de perda de apetite e de peso (embora em algumas pessoas ocorra exatamente o contrário), dificuldade com o sono, seja por não conseguir adormecer, ser difícil manter o sono ou ainda acordar mais cedo que o habitual com grande dificuldade em voltar a dormir. Alguns poucos depressivos experimentam o inverso, um aumento nas horas de sono.

A energia, o interesse por sexo, à vontade e a iniciativa em realizar coisas diminuem ou desaparecem. A fadiga é muito comum, e podem aparecer sintomas como boca seca, náusea e constipação (ou às vezes diarréia). Algumas vezes aparecem dores misteriosas que parecem ir de um lugar para outro e desaparecem quando a depressão melhora.

As mudanças no comportamento podem acontecer para o lado da apatia ou agitação. Muitos evitam contatos sociais, mergulhando no isolamento. Algumas pessoas conseguem trabalhar normalmente, mas sentem-se terrivelmente deprimidas, outras, sentem enorme dificuldade em realizar as atividades do dia-a-dia, como tomar banho, vestir-se, comer ou trabalhar. Alguns tentam disfarçar o sofrimento com um sorriso postiço, mas que infelizmente não convence.

As pessoas que estão clinicamente deprimidas, ou as que são apenas mais vulneráveis à depressão, costumam excluir os acontecimentos positivos em sua vida e selecionam os negativos. No geral ficam literalmente ruminando as experiências ruins, que parecem “não sair da cabeça”. Também têm grande dificuldade em pensar no “longo prazo”, em buscar prêmios e gratificações pelas suas ações no futuro.

Como suas emoções estão bastante comprometidas, preferem ter suas necessidades supridas de imediato. O resultado é que qualquer coisa que demore em acontecer demanda um grande esforço.

De modo geral, pessoas deprimidas são quase sempre perfeccionistas, acreditam que seu comportamento nunca é tão bom quanto gostariam que fosse. Avaliam suas ações com tal nível de exigência que tornam quase impossível alcançar suas metas.

Tendem a avaliar seus resultados em termos de “tudo ou nada”, ou seja, ou o comportamento é absolutamente perfeito ou é um completo fracasso, e com grande freqüência colocam padrões de exigência tão elevados que se torna praticamente impossível atingi-los. A sensação quase que permanente de culpa acaba sendo muito comum. Também tendem a se gratificar de modo insuficiente. Cumprem-se o que se comprometeram a fazer, isso significa que nada mais fizeram que não a obrigação, muitas vezes interpretando erroneamente o reconhecimento de seus méritos como “orgulho” ou coisa semelhante. Se não conseguem, logo se punem. Essas punições em geral são administradas a si mesmas de modo excessivo. Assim, não é de estranhar que pessoas depressivas evitem qualquer coisa, já que seus padrões são muito exigentes, se alcançados provocam pouca recompensa, e se “fracassados” (ainda que isso signifique um sucesso parcial) são severamente punidos.

Pessoas deprimidas tentem a atribuir erroneamente a origem de seus sucessos e fracassos. O sucesso acontece por conta do acaso ou por ações de outras pessoas, enquanto os fracassos são no geral atribuídos a si mesmas. São comuns também pensamentos de morte e morrer.

Depressão e pressão continuada

Os agressores do dia-a-dia, todas as pressões que enfrentamos, podem ultrapassar nossa capacidade de enfrentamento.

Essa capacidade é em boa parte determinada por nossa genética, mas se as pressões persistirem durante muito tempo, ocorrerem em volume muito grande, ou ainda se o organismo não possuir condições ideais para enfrentá-las (como por exemplo, nas desnutrições sub-clinicas, quando os micronutrientes como vitaminas e aminoácidos estão em quantidade baixa), esse acumulo pode vir a causar sérios problemas, entre os quais a tristeza, a melancolia e a depressão.

De modo característico, a pressão crônica afeta a liberação do cortisol, nosso corticóide natural, que pode afetar seriamente várias estruturas do cérebro. Além disso, se a situação gerar o fenômeno do “desamparo aprendido”, as chances do desenvolvimento da depressão aumentam muito.

Esse desamparo, em síntese, ocorre quando as pressões geram um estado em que ocorre uma interpretação errônea dos acontecimentos, do tipo “não há nada a ser feito, a realidade é imutável, não tenho instrumentos para modificar nem a minha pessoa, nem o mundo ao meu redor”. Esse pessimismo é incorporado tanto no pensamento quanto nas ações, gerando uma profecia que se auto-realiza, já que essa postura gera resultados comprometidos.

Com isso vemos que o pessimismo pode, e freqüentemente é, um resultado no funcionamento do cérebro, nos seus mediadores químicos cerebrais, e, portanto passível do tipo de abordagem que proponho. Assim que uma pessoa tiver seu organismo equilibrado, em condições orgânicas de harmonia, poderá aplicar algumas dicas.

Confira as dicas Dr. Cyro:

  1. Lembre-se que nada dura para sempre. Pessoas otimistas acreditam que toda situação infeliz é passageira, enquanto os pessimistas explicam os acontecimentos em termos permanentes. Uma coisa é pensar “eu não consigo nunca ganhar dinheiro” e outra é conversar consigo algo como “tenho ganhado menos ultimamente” ou “estes tempos estão difíceis, mas já passei por dificuldades antes…”.
  2. Pense com isenção na culpa. Otimistas tendem a atribuir as causas de dificuldade a terceiros. O otimista ao se deparar com dificuldades tende a conversar consigo mesmo em termos de “esta situação foi provocada por incompetentes!”, ao contrário do pessimista, que pensaria em termos de “eu sou incompetente”.
  3. Busque a solução em você. Pessimistas tendem a “não confiar no próprio taco” e a buscar a solução em outras pessoas ou outra situação, enquanto o otimista está convencido de que tem a solução dentro de si mesmo.
  4. Divida por partes. Otimistas sabem que para alcançar suas metas devem subir uma escada, degrau por degrau, atingindo metas intermediárias antes de chegar ao seu objetivo. Pessimistas querem dar um único pulo e chegar lá, o que costuma paralisar as ações sem que se chegue a lugar nenhum!
  5. O tamanho do prejuízo. Otimistas tendem a explicar uma situação difícil em termos de “o Brasil é um país complicado” ou “Esta empresa está numa situação delicada”. Já os pessimistas tendem a atribuir explicações universais para seus insucessos, como “o mundo está perdido, a crise está por toda a parte” ou “toda empresa é injusta, todo emprego é miserável”.
  6. Não tenha vergonha de dizer: VIVA EU! Pessoas otimistas tendem a explicar os bons acontecimentos em termos pessoais, do tipo “sou competente”, enquanto os pessimistas atribuem a causas temporárias, acreditando, por exemplo, que “desta vez tive sorte”.
  7. Não vá com a boiada. Pessoas otimistas têm autonomia, não precisam de aprovação dos outros para tudo que pretendem fazer. Pessimistas tendem a ficar se assegurando com os outros, com medo de não ser aceito pelo grupo, e com isso perdem várias oportunidades.
  8. Não aceite rótulos. Otimistas não aceitam que as pessoas lhes coloquem rótulos negativos, como ser acomodado ou não servir para isso ou aquilo. Já os pessimistas não apenas aceitam esses rótulos como incorporam o hábito ruim no dia a dia.
  9. Não tenha medo do sucesso. Sucesso não é pecado. Sucesso não é errado. O pecado e o errado são abusar dos outros. Otimistas acreditam que merecem o sucesso e vão atrás. Já os pessimistas mantêm as velhas crenças de que fazer sucesso é intrinsecamente uma coisa ruim.
  10. Não acredite em predestinação de terceiro mundo. Esse é um pretexto bem brasileiro para ser pessimista. Acreditar que é de terceiro mundo, uma pessoa predestinada a não poder alcançar coisas boas, como se isso fosse reservado para pessoas de outros países. Otimistas simplesmente não acreditam nessa bobagem.

Leia mais em:
Comente!

  •  

Confira
Newsletter

Cadastre-se abaixo e receba os artigos do site em seu e-mail!

Últimas atualizações
Quem Somos | Fale Conosco | Política de Privacidade | Criação de sites
Copyright © 2010 Vida e Equilíbrio. Todos os direitos reservados. 2nd