15 de junho de 2012 | Saúde

Quase 90% das crianças asiáticas têm miopia

No Brasil, orientais também apresentam mesmo tipo de problema

criança de óculos

Foto: Corbis

Estudo conduzido pelo pesquisador Ian Morgan, da Australian National University, e publicado recentemente no jornal Lancet mostra que quase 90% dos jovens adultos de países asiáticos – Japão, China, Taiwan, Singapura e Coréia do Sul – têm miopia. O problema, considerado epidêmico, se deve ao fato da rigidez com que crianças e adolescentes se dedicam aos estudos, sobrando pouco tempo para brincar à luz do dia.

De acordo com o pesquisador, o que se supunha ser um problema com uma carga hereditária muito forte acabou evidenciando a relevante contribuição do ambiente e dos costumes. Como termo de comparação, o percentual de míopes no Reino Unido não chega a 30%.

Estudos referentes à população de asiáticos que migraram para outros países também são reveladores. Chineses que se mudaram para a Austrália, por exemplo, onde a exposição ao sol é muito mais comum entre os jovens, apresentam taxas mais baixas de miopia do que seus parentes que permanecem no país de origem.

Uma das preocupações dos oftalmologistas em relação às crianças asiáticas em idade escolar é que entre 10% e 20% apresentam alto grau de miopia, o que aumenta também o risco de desenvolverem problemas de visão muito mais sérios na idade adulta, incluindo cegueira. Para Morgan, a causa do problema é a pressão familiar e social em relação aos estudos, que exige que as crianças passem muitas horas debruçadas sobre os livros – o que explica o fato de esses países dominarem os rankings mundiais de performance educacional.

Na opinião do doutor Renato Neves, cirurgião-oftalmologista e presidente do Eye Care Hospital de Olhos, a miopia também acomete bastantes crianças e jovens brasileiros com ascendência oriental, principalmente as que moram em cidades com alto grau de competitividade, como São Paulo. “Geralmente, filhos e netos de imigrantes asiáticos são bastante cobrados em relação à dedicação aos estudos. Somando isso ao fato de utilizarem as pausas nos estudos para jogar videogame, temos como resultado um aumento da predisposição à miopia”.

Aptos a enxergar só o que está próximo dos olhos, o especialista diz que os míopes apresentam um alongamento do globo ocular que acaba por desalinhar a luz na retina. Ou seja, o ponto focal que deveria se formar na parte de trás da retina acaba se formando antes, fazendo com que a pessoa enxergue mal tudo o que está distante, como se houvesse um embaçamento.

Neves diz que, além de aumentar a predisposição à miopia, a dedicação intensiva aos estudos, sem pausas para a prática de atividades ao ar livre, pode provocar também dores de cabeça, lacrimejamento, ardor e vermelhidão nos olhos. “Essa condição costuma persistir por vários meses, levando ao diagnóstico de miopia – que pode ser transitória ou permanente”.

Para o especialista, os pais devem proporcionar mais atividades ao ar livre a seus filhos, incentivando pausas a cada duas ou três horas de estudo. Outra dica: para cada hora que a criança passa debruçada sobre os livros ou com o olhar fixo na tela do computador, ela deve fazer uma pausa de pelo menos 15 minutos, piscar várias vezes e olhar pela janela para focar objetos mais distantes.

Lentes implantáveis são indicadas para quem tem alto grau de miopia

Óculos com lentes ‘fundo de garrafa’ costumam ser um grande incômodo para várias pessoas com médio ou alto grau de miopia. Para enxergar melhor, muitas acabam comprometendo a autoestima e a vida social. A melhor solução para esses casos são as lentes implantáveis. “As lentes intraoculares fácicas estão indicadas principalmente para pessoas com alto grau de miopia ou hipermetropia nas quais não é possível realizar a correção a laser devido à mudança acentuada da curvatura. Também são um excelente recurso para o paciente que apresenta a córnea muito fina”, diz Renato Neves.

Na opinião do médico, uma das principais vantagens é a satisfação do paciente. Esse tipo de lente é menor do que a lente de contato comum e praticamente desaparece depois de implantada sobre a pupila. Simples, a cirurgia é realizada em 15 minutos. Sob anestesia local, a lente é fixada no olho do paciente por duas pequenas alças presas à íris. Na maioria dos casos, o paciente passa a enxergar melhor já no dia seguinte ao implante. Outra vantagem é que as lentes implantáveis podem ser removidas a qualquer momento se o paciente esboçar qualquer tipo de reação adversa, enquanto a cirurgia a laser é definitiva. “Trata-se de um procedimento seguro e que atende às necessidades de quem tem mais de 10 graus de miopia ou espessura incompatível para a cirurgia a laser”.

Leia mais em: , , ,
Comente!

  •  
Confira
Newsletter

Cadastre-se abaixo e receba os artigos do site em seu e-mail!

Quem Somos | Fale Conosco | Política de Privacidade | Criação de sites
Copyright © 2010 Vida e Equilíbrio. Todos os direitos reservados. 2nd